semanário 276

27/10/2015-2/11/2015

Novo estilo de mapa do OSM Carto no osm.org

Novo estilo de mapa do OSM Carto no osm.org [1]
Fonte: Contribuidores do OpenStreetMap, imagem sob CC-BY-SA 2.0

Mapeamento

  • Mapbox publicou um mapa que indica onde faltam caminho de pedestres paralelos às vias. Assunto é aprofundado no blog da mapbox e em duas issues (#125 e #126) no GitHub. O projeto osm-sidewalker é de código aberto.
  • Martijn van Excel descreve em seu blog um novo plugin do JOSM para corrigir ruas de sentido único que estejam faltantes ou erradas.
  • O JOSM tem um novo comportamento a partir do build 8964 do: quando você divide uma via, ele pergunta qual parte deverá herdar o histórico.
  • Mapbox anuncia imagens de satélite atualizadas com resolução de 30 cm para uma cobertura de 3 milhões de quilômetros quadrados. Eric Gunderson, CEO da empresa, escreve: “E, claro, tudo é 100% aberto, para mapeamento OpenStreetMap.” weeklyOSM diz: “Muito obrigado, Mapbox!” 🙂
  • Pierre Béland cria o estilo NoFeature para JOSM. O objetivo é facilitar a identificação de objetos que não tenham uma etiqueta principal: highway, building, natural, landuse, amenity, etc.
  • O usuário Karussell levantou o problema da análise de unidades de medida em etiquetas como a maxweight, e seu diário recebeu um monte de comentários.

Comunidade

  • Mapeador em destaque: Clifford Snow. Conheça-o nas estatísticas: hdyc e yosmhm.
  • bdiscoe tem ideias para um melhor “mapa de calor” (heatmap) das contribuições de um dado usuário.
  • Mapeador belga do mês: Olivier Roussel
  • Joost Schouppe fala sobre suas experiências com o Mapillary.
  • Entrevista de geo aberto (em inglês) ‒ Gregory Marler, do projeto “Living with Dragons“.
  • Andy Allan assinala que a maioria dos desenvolvedores que são atraídos ao projeto OSM não permanecem nele mais do que um ano (o mesmo fenômeno que acontece com os mapeadores).

Eventos

OSM Humanitário

  • Camilla Mahon relatou no Mapbox-Blog dela que a empresa tem procurado atualizar imagens DigitalGlobe de modo a refletir as mudanças que foram provocadas pelo terremoto que recentemente atingiu o leste do Afeganistão.
  • O portal The Daily Utha Chronicle escreve sobre estudantes de geografia participando no mapeamento de resposta à crise do Furacão Patricia. Mapbox também bloga sobre o furacão e a atuação do HOT.
  • Destacando principais eventos e discussões, Mikel Maron descreve em sua palestra a evolução do HOT entre 2005 e 2010.
  • O usuário dekstop tenta medir a desigualdade de participação no HOT, mas isso é complicado.
  • The Salt Lake Tribune publica matéria a respeito de estudantes de um colégio de Utah que tem realizado mutirões para mapear as consequências de um mortal terremoto no Afeganistão e do furacão mais forte que já atingiu o hemisfério ocidental.

Mapas

  • Há vários dias o OpenRailwayMap mostra um significante número de sinais ferroviários na Áustria.
  • Chegou o OSM Carto 2.36.0! Ele tem sido usado nos servidores de tiles do osm.org desde 30 de outubro. O novo esquema de cores fora desenvolvido durante Google Summer of Code, por Mateusz Konieczny. A mudança mais notável é no estilo de cores para rodovias (highways). Confira o anúncio de lançamento no blog da OSMF, e a Talk. Na Talk-gb existe uma discussão sobre se tiles no esquema de cores antigo também devem ser servidos. Richard Fairhurst observa que manter um tileserver demanda tempo.
  • Dentro do projeto “Arriving in Berlin“, “Chegando em Berlim”, quatro residentes do Haus Leo, um alojamento para refugiados, criaram um Mapa de Berlim para recém-chegados à cidade. O site localiza variados pontos de apoio: organizações, escritórios, médicos, polícia, e até Wi-Fi gratuito. Segundo o coordenador do projeto, Ralf Rebmann, “este projeto de mapeamento, que foi implementado com o uMap, é uma colaboração entre a Missão da Cidade de Berlim e a Casa das Culturas do Mundo, e não teria sido possível nesta forma sem o OpenStreetMap.

Dados abertos

  • A administração da cidade de Wroclaw, na Polônia (Polish), liberou algumas fotos aéreas obliquas para mapeamento 3D. Veja o post de Marek Kleciaks no fórum alemão.
  • Adam Horan pergunta na talk-au se o licenciamento do registro de parques e reservas florestais do Estado Australiano de Victoria, disponível no portal Open Data, está OK para aproveitamento no OSM. Devido a informações conflitando no portal e no próprio conjunto de dados, nenhuma resposta satisfatória foi alcançada até agora.
  • Mikel Maron fala no blog dele que o governo dos Estados Unidos está “avançando” na direção dos dados abertos.
  • A equipe weeklyOSM felicita o Wikidata por seu 3º aniversário.

Software

  • A versão 1.1.17 da app de navegação Atlas foi liberada no último dia 2 de novembro.
  • OPENGIS.ch LLC está encaminhando uma campanha de financiamento coletivo para renderização 2.5D de QGIS. Faltam cerca 5 mil dólares (~R$ 19.000,00 em 07/11/2015).
  • Baseada no motor de roteamento Graphhopper, uma nova API para otimização de rotas encontra-se disponível; ainda que por enquanto somente para testes beta.
  • EB Dirigo é uma app da Elektrobit. Ainda não é software livre, mas o arquivo APK pode ser baixado.
  • O Route Converter 2.17 tornou-se disponível em 23 outubro.
  • Simon Poole fez fork do template padrão do JOSM e adicionou outras etiquetas que são usadas frequentemente, entre outras a amenity=social_facility. O mesmo template é usado no Vespucci.

Desenvolvimento

  • No dia 1º de novembro foi lançada a versão 1.3.2 do BRouter.
  • O Geometa Lab, da Universidade de Ciências Aplicadas de Rapperwil, na Suíça, anunciou em inglês no Twitter: “Atualmente nós estamos avaliando as diversas versões @Docker de #Nominatim e #DockerHub, e estamos buscando resolver os gargalos na performance!”
  • O módulo de Node.js chamado csvgeocode pode converter listas de coordenadas geográficas em listas de endereços, e pode ser usado com seviços de: Google, Mapbox, OSM Nominatim, Mappen e Texas A & M’s.
  • Na lista de e-mails dev, Yuri Astrakhan pergunta sobre o uso de tiles em vetor e com isso nasce mais uma discussão digna de ser acompanhada.
  • No dia 2 de novembro foi liberado o SQLite versão 3.9.2.
  • TobWen reclama da renderização do Mapnik 3, em favor do Mapnik 2.x.
  • Dica: tenha cuidado ao escolher nomes para suas variáveis.

Você sabia…

  • …que todo o mapa de Garmin para os Estados Unidos é um projeto de Dave Hansen. Ele baseia-se no trabalho de Lambertus, mas adicionando seus próprios arquivos Dave espera aliviar a carga nos servidores de Lambertus. Os arquivos são compartilhados por Torrent e por HTTP, aqui e aqui. Dave informa na talk-us quando atualizações são feitas disponíveis. As notificações sempre trazem respostas a algumas perguntas recorrentes.

Outras coisas “geo”

  • Um usuário do Mapillary já enviou fotos para 1 milhão de quilômetros. Isso dá 540 mil milhas náuticas ou cerca de 3,34 segundos viajando-se na velocidade da luz 😉
  • Brian Timoney tinha previsto as 5 tendências da indústria do mapeamento, no JS.Geo.
  • Spatially Adjusted afirma que a Apple está prestes a lançar um serviço de posicionamento indoor na App Store de iOS.
  • Andy Mabbett (em inglês): “Eu testemunhei uma apresentação fascinante durante esta manha. Um projeto que digitalizou o primeiro mapa de Londres com detalhamento em nível de edificações. Dados foram aproveitados de fontes como o Romantic London, do Dr. Matthew Sangster. O conjunto de dados completo está disponível livremente, mas a Biblioteca Britância tem reclamado direitos de cópia exclusivos sobre images de mapa.” Leia mais…
  • Google homenageou George Boole com um doodle, por ocasião do 200º aniversário dele. O projeto OpenStreetMap não ficou atrás e deu ao matemático e ao mundo “algo um pouco mais duradouro“. O mapeador Ziltoidium pesquisou via Wikipedia→Commons a localização da casa onde viveu Boole e inseriu o nó na base de dados. Por sua vez, Vincent de Phily traçou as edificações a partir do conhecimento que possui do local. Esse é um ótimo exemplo de como colaborar para a melhoria do OSM.